Make your own free website on Tripod.com

François Victor Grignard

François Auguste Victor Grignard nasceu em Cherbourg, França, em 6 de maio de 1871. Freqüentou escolas locais durante os anos de 1883 a 1887 e, em 1889, ganhou uma bolsa de estudos na École Normale Spécial de Cluny. Depois de dois anos, a escola, que intencionava formar professores para as modernas escolas secundárias, foi fechada pela disputa entre defensores dos métodos "clássicos" e "modernos" do ensino secundário. Grignard e seus colegas de classe foram transferidos para outros estabelecimentos para finalizar seus estudos, e Grignard teve a sorte de estudar na Universidade de Lyons, onde foi destacado à Faculté des Sciences. Não obteve sucesso no exame de licenciatura em matemática e, em 1892, abandonou a universidade para completar o serviço militar. Ao final do ano de 1893 foi dissuadido do serviço militar e retornou ao Luons para obter o grau de Licencié ès Sciences Mathématiques em 1894.

Em dezembro de 1894, após alguma persuasão, Grignard aceitou um cargo júnior na Faculté des Sciences, trabalhando com Louis Bouveault; foi rapidamente promovido a preparador e foi então que iniciou sua longa associação com Philippe Barbier. Obteve o grau de Licencié-ès-Sciences Physiques e, em 1898, tornou-se chefe das travaux pratiques e também escreveu seu primeiro artigo científico conjuntamente com Barbier. Em 1901 submeteu sua brilhante tese sobre compostos orgânicos de magnésio, Sur les Combinaisons Organomagnésiennes Mixtes, e foi então condecorado com o título de Docteur és Sciences de Lyons.

Foi nomeado Maítre de Conférences, na Universidade de Besançon em 1905, mas retornou a Lyons no ano seguinte, ocupando uma posição similar até ser eleito como Professor Adjunto de Química Geral em 1908. Em 1909 assumiu o Departamento de Química Orgânica de Nancy, em sucessão à Blaise Pascal que mudou-se para Paris, e no ano seguinte tornou-se Professor de Química Orgânica. No início da I Guerra Mundial foi mobilizado para seu posto militar, mas foi logo designado para estudar, em Nancy, o craqueamento de benzóis e, posteriormente, a trabalhar em problemas químicos para a Guerra em Paris. Após a Guerra, retornou a Nancy e, em 1919, sucedeu Barbier como professor de Química Geral em Lyons. Em 1912 recebeu o posto adicional de Director de l'École de Chimie Industrielle de Lyons, tornando-se um membro da Universidade de Concyl, e em 1929 tornou-se Reitor da Faculdade de Ciências.

As primeiras investigações de Grignard foram sobre o etil beta-isopropilacetobutirado e sobre os ácidos diisopropilbuteneidocarboxílicos, estereoisométricos, e estudos sobre hidrocarbonetos insaturados quelatos. Em 1899, seguindo as recomendações de Barbier, estudou os compostos de organomagnésio e sua descoberta sobre a preparação clássica de haletos de alquila com magnésio. Grignard desenvolveu aplicações diretas para estes reagentes simples e elegantes, que possuíam papel importante na síntese orgânica de tal modo que, no ano de sua morte, em 1935, havia mais de 6.000 referências a eles na literatura.  Utilizou os reagentes para preparar e estudar os álcoois, cetonas, ceto-ésteres, nitrilas e terpenos mais exóticos até então desenvolvidos. Desenvolveu também um método para síntese dos fulvenos.

Grignard foi o autor de mais de 170 publicações e, no momento de sua morte, trabalhava arduamente na elaboração de uma grande referência literária sobre química em francês. Dois volumes de seu Traité de Chimie Organique (Tratado em Química Orgânica) já haviam sido publicados, e dois mais estavam prontos para impressão e trabalhos editoriais, e outros dois estavam bem adiantados; estes foram finalizados apenas por seus colaboradores.

Em 1912, Grignard foi agraciado com o Prêmio Nobel de Química por suas descobertas sobre os reagentes de Grignard, dividindo este prêmio com Paul Sebatier, que realizou trabalhos na hidrogenação de compostos orgânicos com a utilização de catalisadores metálicos.

Grignard casou-se com Augustine Marie Boulant em 1910 e seu único filho, Roger, seguiu os passos acadêmicos de seu pai; também tiveram uma filha. Grignard faleceu em 13 de dezembro de 1935.

Voltar à galeria