Make your own free website on Tripod.com

 

Discurso do Método Sobre Como Administrar a Razão Corretamente,  Buscando a Verdade nas Ciências


por René Descartes

Capítulo I

O bom senso é, de todas as coisas entre os homens, a mais igualmente distribuída; todas as pessoas pensam que são tão abundantemente providas de bom senso, que até mesmo aqueles que são os mais difíceis de se satisfazer em outras coisas normalmente não desejam uma medida maior desta qualidade do que aquela que já possuem. E assim, não é provável que todos estejam bastante enganados com essa convicção, que é tomada como testemunho de que o poder de julgar corretamente e de distinguir a verdade do erro, o que é propriamente chamado de bom senso ou razão, é por natureza igual em todos os homens; e que a diversidade de nossas opiniões, por conseguinte, não surge de alguns sendo dotados de uma parte maior de razão que outros, mas somente disto, que nós administramos nossos pensamentos ao longo de caminhos diferentes, e não fixamos nossa atenção nos mesmos objetos. Ser possuidor de vigorosos poderes mentais não é o bastante; o requisito principal é justamente aplicá-los bem . As maiores mentes, assim como são capazes das maiores excelências, estão igualmente abertas às maiores aberrações; e aqueles que caminham muito lentamente podem fazer maiores progressos, contanto que sempre mantenham-se convictos em seu caminho, que aqueles que, enquanto correm, o abandonam.

Quanto a mim, nunca imaginei que minha mente pudesse ser em qualquer aspecto mais perfeita que aquelas da generalidade; pelo contrário, eu sempre desejei que fosse igual a alguns outros em capacidade de raciocínio, ou em clareza e distinção da imaginação, ou em abundância e prontidão de memória. E além destas, não conheço nenhuma outra qualidade que contribui à perfeição da mente; quanto à razão ou sentido, já que é apenas isso que nos constitui homens, e nos distingue dos brutos, eu estou disposto a acreditar que cada indivíduo está repleto dela, e neste ponto adotar a opinião comum dos filósofos que dizem que a diferença entre os mais e os menos dotados só se encontra entre os acidentes, e não entre as formas ou naturezas dos indivíduos da mesma espécie.

Eu não hesito, entretanto, em declarar minha convicção de que foi minha singular e boa sorte ter muito cedo em minha vida encontrado certos caminhos que conduziram minhas considerações e máximas, das quais eu formei um método que me dá os meios, como eu acredito, de aumentar gradualmente meu conhecimento, e de elevá-lo do ponto mais baixo para o mais alto que a mediocridade de meus talentos e a duração breve de minha vida me permitir alcançar. Por já ter colhido esses frutos que, embora fosse acostumado a pensar sobre mim bastante humildemente, e embora quando eu olho com olhos de um filósofo os vários cursos e perseguições de uma humanidade em desenvolvimento, encontro um que não aparece em vão e inutilmente e não obstante derivo a maior satisfação do progresso que concebi na procura pela verdade, e que não pode ajudar entretendo as expectativas do futuro como acreditar que se, entre as ocupações de homens como homens, há qualquer uma realmente excelente e importante, e é esta a que eu escolhi.

No final, é possível que eu esteja equivocado; e é como um punhado de cobre e vidro, talvez, que eu tenha tomado por ouro e diamantes. Eu sei o quanto nós somos sujeitos a ilusão que a nós se relaciona, e também o quanto os julgamentos de nossos amigos serão suspeitados quando cedidos a nosso favor. Mas empreender-me-ei neste discurso para descrever os caminhos que segui, e delinear minha vida como um quadro, para que cada um também possa julgar por si só, e que na opinião geral, eu possa ceder uma ajuda nova para instrução a ser somada àquelas que eu tive o hábito de empregar.

Meu presente desígnio, então, não é ensinar o método que cada um deve seguir para a conduta correta de sua razão, mas somente descrever o modo no qual eu me empreendi para conduzir a mim mesmo. Aqueles que se fixam em dar preceitos consideram-se certos de possuir maior habilidade que os outros para quem prescrevem; e se erram no mais sutil detalhe, sujeitam-se à censura. Mas como este fato é colocado somente como uma história, ou, se você preferir, como um conto, entre alguns exemplos merecedores de imitação, lá será achado, talvez, como muitos mais que seja aconselhável não seguir, eu espero que isto se prove útil a alguns sem ser nocivo a qualquer outro, e que em minha abertura achem alguma serventia para tudo.

Desde minha infância eu estive familiarizado com os escritos; e como eu fui dado a acreditar que pela sua ajuda um conhecimento claro e certo de tudo aquilo que é útil na vida poderia ser adquirido, eu era ardentemente cobiçoso por instrução. Mas assim que eu tivesse terminado o curso inteiro de estudo, ao fim do qual é habitual ser admitido na ordem de instruído, eu mudei minha opinião completamente. Porque eu me achava envolvido em tantas dúvidas e erros que me convenceram de que eu não tinha avançado nada mais em todas minhas tentativas de aprender, que eu descobria em toda parte minha própria ignorância. E eu estava ainda estudando em uma das escolas mais célebres da Europa, na qual eu acreditava que lá deveria ser ensinado aos homens a serem homens, se tal em qualquer lugar poderia ser achado. Eu tinha aprendido tudo aquilo que os outros também aprenderam; e não contente com o que as ciências de fato nos ensinaram, eu, além, tinha lido todos os livros que caíram em minhas mãos, que tratavam do que é estimado o mais curioso e raro. Eu conhecia o julgamento que os outros tinham formado de mim; e eu não achei que fosse considerado inferior a meus companheiros, embora havia entre eles alguns que já estavam destinados a preencher os lugares de nossos instrutores. E, em conseqüência, nossa idade apareceu florescendo, e em mentes férteis e poderosas como qualquer precedente. Eu fui destinado a levar a liberdade de julgar sozinho a todos os outros homens, e de concluir que não havia nenhuma ciência em existência que era de tal natureza como aquela que eu tinha sido dado a acreditar previamente.

Porém, eu ainda continuei estimando os estudos das escolas. Eu estava consciente de que os idiomas nelas ensinados eram necessários à compreensão das escritas dos ancestrais; que a graça da fábula movimenta a mente; que as ações memoráveis da história a elevam; e, se lidas com discrição, ajudam formando o julgamento; que o conteúdo de todos os livros é excelente, como se fosse ter uma entrevista com os homens mais nobres de idades passadas que lhes escreveram e até mesmo uma entrevista estudada na qual são revelados a nós só seus pensamentos mais seletos; aquela eloqüência tem força incomparável e beleza; aquela poesia tem suas extasiadas graças e delícias; que na matemática há muitas descobertas refinadas que eminentemente serviram para satisfazer o inquisitivo, como também mais adiante todas as artes ensinaram ao homem o trabalho; estão contidos todos aqueles numerosos preceitos altamente úteis e exortações para a virtude em tratados e moralidades; aquela teologia mostra o caminho ao céu; aquela filosofia dispõe os meios de discursar com uma aparência de verdade em todos os assuntos, e comanda a admiração do mais simples; aquela jurisprudência, medicina e as outras ciências, afiançam para as honras dos cultivadores de suas riquezas; e, em contrapartida, que é útil dar um pouco de atenção em tudo, até mesmo àqueles que abundam em superstição e erro, porque nós podemos estar em posição de determinar o seu real valor, e guardar o que é bom ao invés de sermos enganados.

Mas eu acreditei que já havia dado tempo suficiente a idiomas, e igualmente para a leitura das escritas dos anciões, para suas histórias e fábulas. Manter contato com aqueles de outras épocas e viajar, é quase a mesma coisa. É útil conhecer algo dos modos de nações diferentes, para que nós possamos formar um julgamento mais correto, que considera os nossos próprios, e ser prevenido de pensar que tudo ao contrário de nossos costumes é ridículo e irracional, uma conclusão que normalmente vem para aqueles cujas experiências foram limitadas ao próprio país. Por outro lado, quando muito tempo é ocupado em viagens, nós nos tornamos estranhos a nosso país nativo; e o mais curioso dos costumes do passado é geralmente ignorante aos do presente. Além, narrativas fictícias nos conduzem a imaginar a possibilidade de muitos eventos que são impossíveis; e até mesmo as histórias mais fiéis, se não falseiam assuntos completamente, ou exageram sua importância para fazer sua conta mais merecedora de persuasão, ou omitem, pelo menos, quase sempre o pior e elevam menos as circunstâncias auxiliares; conseqüentemente acontece que o remanescente não representa a verdade, e que como regula sua conduta por exemplos tirados desta fonte, é hábil em entrar nas extravagâncias dos cavaleiros errantes de romances, e entreter projetos que excedem seus poderes.

Eu estimei muito a eloqüência, e estava entretido com a poesia; mas eu pensei que ambos eram presentes da natureza em lugar de frutos do estudo. Aqueles em quem a faculdade da razão é predominante, e que dispõem com maior habilidade seus pensamentos e com visão os tornam claros e inteligíveis, sempre são os melhor capacitados a persuadir outros da verdade abaixo da qual se deitam; entretanto eles só deveriam falar no idioma da Baixa Inglaterra, e ser completamente ignorantes às regras de retórica; e aqueles cujas mentes armazenam as fantasias mais agradáveis, e que podem dar a elas expressão com o maior embelezamento e harmonia, ainda são os melhores poetas, entretanto alheios à arte da poesia.

Eu estava especialmente encantado com a matemática, por causa da certeza e evidência de seus argumentos, mas não tinha ainda um conhecimento preciso de seu verdadeiro uso; e pensando que ela também contribuiu ao avanço das artes mecânicas, eu estava surpreso que fundações, tão fortes e sólidas, não tivessem nenhuma infra-estrutura mais nobre. Por outro lado, eu comparei as inquisições dos moralistas antigos com magníficos palácios sem fundações melhores que areia e lama: eles louvam grandemente as virtudes, e as exibem como as mais estimáveis sobre qualquer coisa em terra; mas eles não nos dão nenhum critério adequado de virtude, e o que eles freqüentemente designam com um nome tão nobre é apenas apatia, ou orgulho, ou desespero, ou arrogância.

Eu venerei nossa teologia, e aspirei tanto quanto qualquer um alcançar o céu: mas estando seguramente determinado a entender que o caminho não é menos aberto ao mais ignorante que para o mais instruído, e que as verdades reveladas que conduzem ao céu estão sobre nossa compreensão, eu não as presumi para não as sujeitar à impotência de minha razão; e eu pensei que, a fim de empreender seu exame de maneira competente, havia necessidade de um pouco de ajuda especial do céu, e de ser mais que homem.

Da filosofia eu nada direi, a não ser que quando eu vi que seus princípios tinham sido cultivados por muitos anos pelos homens mais distintos, e que ainda não existe uma única questão dentro de sua esfera que ainda não esteja em disputa, e nada, então, que esteja além da dúvida, eu não presumi a antecipar que meu sucesso seria maior nesta área que o de outros; e mais adiante, quando eu considerei o número de opiniões contraditórias que tocam um único assunto que pode ser apoiado por homens instruídos, enquanto pode haver mas de um verdadeiro, eu considerei como próximo ao falso tudo aquilo era apenas provável.

Sobre as outras ciências, já que estas obtêm emprestado seus princípios da filosofia, eu julguei que nenhuma superestrutura sólida pudesse ser criada em fundações tão fracas; e nem a honra nem o lucro por elas oferecido era suficiente para me determinar a seu cultivo: porque eu não estava, graças aos Céus, em uma condição que me compelisse a fazer da ciência uma mercadoria para melhorar minha fortuna; e entretanto eu poderia não professar para expressar a glória como um cínico, aquela honra eu esperei só adquirir por títulos fictícios. E, em compensação, em falsas ciências eu acreditava conhecer suficientemente o preço para escapar de ser enganado pelas profissões de um alquimista, as predições de um astrólogo, as imposturas de um mágico, ou pelos artifícios e ostentações de quaisquer daqueles que professam saber coisas das quais são ignorantes.

Por estas razões, assim que minha idade me permitiu sair debaixo do controle de meus instrutores, eu abandonei inteiramente o estudo das escritas, e me resolvi a não buscar por tempo mais longo qualquer outra ciência que não conhecimento de mim mesmo, ou do grande livro do mundo. Eu gastei o remanescente de minha mocidade viajando, visitando tribunais e exércitos, estando de acordo com homens de disposições e graus diferentes, colecionando variada experiência, provando situações diferentes nas quais minha fortuna me lançou, e, acima de tudo, fazendo tal reflexão nos assuntos de minhas experiências para assegurar minha melhoria. Assim aconteceu de eu achar muito mais verdade nos argumentos de cada indivíduo referentes aos negócios nos quais ele está pessoalmente interessado, e no presente castigo pelo qual ele tem que passar se perder seu julgamento, que aqueles administrados por um homem letrado em seus estudos, relativos a assuntos especulativos que não são em nenhum momento práticos, e por ele perseguidos sem nenhuma conseqüência e, mais distante, talvez, porque eles nutrem muito mais sua vaidade e ficam mais distantes do bom senso, requerendo, como eles devem neste caso, o exercício de maior ingenuidade e arte para os fazer prováveis. Além, eu sempre tive um desejo mais sério de saber distinguir o verdadeiro do falso, para que eu pudesse poder claramente separar o caminho certo da vida, e nele proceder com confiança.

É verdade que, enquanto estive ocupado apenas em considerar os modos de outros homens, eu achei aqui, também, escasso qualquer solo para convicção, e encontrei menos contradição entre eles que nas opiniões dos filósofos. De forma que a maior vantagem eu derivei do estudo assim consistido, que, observando muitas coisas que, apesar de extravagantes e ridículas à nossa apreensão, ainda são por consentimento comum aprovadas por outras grandes nações, e eu aprendi também a entreter decididamente uma convicção em respeito a nada da verdade da qual eu somente tinha sido persuadido por exemplos e costumes; e assim eu me desembaracei gradualmente de muitos erros poderosos o bastante para escurecer nossa inteligência natural, e nos incapacitar em grande medida de escutar para argumentar. Mas depois que eu tivesse ocupado vários anos estudando o livro do mundo desta forma, e tentando juntar um pouco de experiência, eu decidi fazer de mim mesmo um objeto de estudo, e empregar todos os poderes de minha mente escolhendo os caminhos que deveria seguir, em um empreendimento que foi acompanhado de maior sucesso que realmente teria se eu nunca tivesse deixado meu país ou meus livros.

 

Versão em português por A. Krell